segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Lagoa de Velhos/RN: Fotos do Lançamento do Livro Relembranças de Ivaíta Souza

Aconteceu na noite do último Sábado(21), na Câmara Municipal de Lagoa de Velhos, Palácio José Francisco da Costa, o lançamento do Livro Relembranças, que tem como autora a Lagoense Ivaíta Souza, filha do saudoso Ex-vereador Derson Ortiz, em seu perfil do Facebook Ivaíta agradeceu a presença de todos que compareceram e contribuíram para a realização do evento.

Segue algumas fotos do evento, extraídas do perfil de seu perfil do Facebook:















sábado, 21 de outubro de 2017

É hoje !

A imagem pode conter: texto

Micherlan Morais participou da eleição para Presidência do Diretório Estadual do PMDB, representando o Município de Sítio Novo/RN


Na manhã desta sexta-feira (20), ocorreu a eleição para eleger o novo Presidente do PMDB/RN, a qual foi realizada com expressiva participação popular, em especial, dos prefeitos, vereadores e demais líderes políticos do Rio Grande do Norte. 
À convite do senador Garibaldi, esteve presente no evento o Secretario Micherlan Morais, representando a cidade de Sítio Novo/RN. 
Como resultado final o senador Garibaldi Alves Filho foi eleito o presidente do partido. 
Após ser empossado Garibaldi foi ovacionado pelos políticos e pela população que participou do evento.




sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Com indefinição do PSDB, Bolsonaro atrai simpatizantes de tucanos

Em momento de turbulência e incertezas no PSDB quanto a 2018, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) atrai a simpatia de aliados dos tucanos. O MBL (Movimento Brasil Livre), entusiasta de eventual candidatura presidencial do prefeito paulistano, João Doria (PSDB), até duas semanas atrás, agora ensaia uma aproximação com o deputado, que concentra esforços em se mostrar um liberal.

Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, que declara apoio ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), na eleição presidencial, flerta com Bolsonaro nas redes sociais. "A disputa interna torna o PSDB mais vulnerável à medida que, para ganhar a indicação, você eventualmente queima pontes políticas e fica com dificuldade de criar uma agenda positiva", afirmou o cientista político Rafael Cortez, analista na consultoria Tendências.

Justiça multa Neymar e empresas da família em R$ 3,8 milhões

Foto: Levi Bianco/Brazil Photo Press/Folhapress
O atacante Neymar e as empresas da família do jogador foram multados em R$ 3,8 milhões. O processo, em 2ª instância, foi julgado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região. O valor corresponde a 2% do valor dos bens bloqueados inicialmente (R$ 188,8 milhões), em 2015, mais as correções desde então (subindo para R$ 198 milhões).
O bloqueio dos bens de Neymar e sua família atendeu a requerimento da Procuradoria da Fazenda Nacional, que acusou o atleta e parentes de terem deixado de pagar os valores devidos de impostos durante os anos de 2011 e 2013.
A Justiça aplicou a multa por entender que a defesa do atleta agiu intencionalmente no sentido de protelar a decisão. Durante o processo, os advogados de Neymar entraram com pedidos de embargos de declaração, rejeitados pela Justiça. Cabe recurso a Neymar e família.
“Cominada multa de 2% do valor atualizado da causa aos embargantes, em razão do caráter manifestamente protelatório do recurso manejado”, concluiu o desembargador federal Carlos Muta.
A assessoria de comunicação das empresas de Neymar informou que entrará em contato com o departamento jurídico para comentar a decisão do TRF-3.
ENTENDA O CASO
A Receita alega que Neymar deixou de pagar R$ 63,6 milhões devidos ao fisco. Entre outros fatos, é apontada omissão de rendimentos de fontes do exterior com publicidade e “omissão de rendimentos oriundos de vínculo empregatício pagos pelo Barcelona”.
Esse dinheiro, na verdade, foi recebido pelas empresas N& N Consultoria Esportiva e Empresarial e Neymar Sports a título de direito de imagem do jogador. Mas a Fazenda Nacional alega que tais rendimentos deveriam ter sido pagos como salário, o que teria acarretado uma tributação maior.
O valor atingiu R$ 188 milhões (e agora, corrigido para R$ 198 milhões) por conta de uma multa de 150% sobre o total devido para a Receita. Isso ocorre quando há suspeita de existência de dolo, fraude e simulação de operações para tentar enganar o Fisco.
Entre as propriedades citadas estão o jatinho e o iate que o atacante do PSG possui, além de imóveis nas cidades de Guarujá, Santos, Praia Grande, São Vicente, São Paulo e Itapema (Santa Catarina).
Ao longo do processo, Neymar e seus advogados negaram qualquer irregularidade, afirmando que tudo não passou de planejamento tributário feito dentro das normas fiscais vigentes nos dois países.
Folha de São Paulo

Tribunal nega de novo a Lula suspeição de Moro

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) indeferiu nesta quinta-feira, 19, por unanimidade, pedido de exceção de suspeição formulado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o juiz federal Sérgio Moro no início de setembro. O pedido se deu no âmbito de processo em que o petista é réu por supostas propinas de R$ 12,5 milhões da Odebrecht.
As informações foram divulgadas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.
Os R$ 12,5 milhões em propinas da Odebrecht, segundo a Procuradoria da República, são referentes ao imóvel onde seria sediado o Instituto Lula e o apartamento 121 no edifício Hill House, em São Bernardo do Campo, supostamente ocultados por meio de contratos com terceiros, como a DAG engenharia, de Demerval Souza, amigo de Marcelo Odebrecht e Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, que tinha passe livre no Palácio do Planalto no governo Lula.
O advogado Cristiano Zanin alegava que Moro é parcial e que isso teria ficado explícito na “sucessão de atos públicos desnecessariamente gravosos” praticados pelo juiz contra o ex-presidente, entre eles a condução coercitiva, a busca e apreensão na residência e em empresas da família e a divulgação de interceptações telefônicas ilegais. Zanin sustentava ainda que o juiz estaria agindo com deboche e ironia e espetacularizando a Operação Lava Jato.
Segundo o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Operação Lava Jato no tribunal, as causas de suspeição já foram invocadas pela defesa em outros feitos, “havendo mera repetição de razões”.
Quanto à espetacularização e os efeitos provocados na opinião pública alegados pela defesa, Gebran pontuou que “são fatores externos que, além de não estarem diretamente ligados à atuação do magistrado, guardam relação com o direito constitucional à liberdade de expressão assegurados a todos os cidadãos e à imprensa”.
“Há que se ter bem claro que o juiz não é parte no processo, tampouco assume a posição de antagonista com relação a qualquer investigado ou réu. A insatisfação do réu com relação às decisões do Juízo não estão sujeitas ao escrutínio sob a perspectiva da imparcialidade, não sendo suficiente para o afastamento do magistrado a livre interpretação da parte com relação aos acontecimentos”, concluiu o desembargador.

ISTOÉ

Whatsapp libera função que envia localização ao vivo por até oito horas; saiba como usar


A localização do usuário em tempo real poderá ser compartilhada em forma de mensagem durante o chat, com a posição do remetente no mapa. Conforme a pessoa se move, o indicador da localização também se movimenta.

Para ativar o recurso, é necessário clicar no clipe de escritório (para Android) ou no símbolo ‘mais’ (para iOS), em uma conversa individual ou em grupo, e depois selecionar o compartilhamento do local. Em seguida, irá aparecer a opção “Localização atual” e, então, o usuário poderá compartilhar sua localização em tempo real por um período de até oito horas.

Feliciano, Bolsonaro e Paulo Pimenta são os deputados mais influentes nas redes sociais


Os deputados Marco Feliciano (PSC-RJ), Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e Paulo Pimenta (PT-SP) foram os deputados mais influentes das redes sociais Facebook e twitter na semana de 10 a 16 de outubro. O ranking é elaborado semanalmente pela FSB. A agência de comunicação mede o desempenho com base em números de seguidores, alcance, posts e engajamento.

O líder do ranking, Marco Feliciano, se mantém na primeira posição há duas semanas. Jair Bolsonaro, que está em segundo, vem subindo posições e melhorou o desempenho após a viagem que fez para Nova Iorque onde se apresentou como pré-candidato à Presidência 2018.

A melhora do desempenho de parlamentares do PT também foi detectada no ranking. Além de Paulo Pimenta ter conquistado um lugar no pódium, ele é o único de fora da bancada evangélica entre os cinco mais influentes das redes. Após Pimenta, estão Delegado Fransischini (SD-PR) e Irmão Lazaro (PSC-BA). Entre os vinte primeiros colocados são os petistas que mais subiram posições, como Maria do Rosário (PT-RS) que está em 14º nesta semana e melhorou 14 posições na comparação com a semana anterior.

Outros parlamentares de esquerda também são bem posicionados no ranking das redes como Jandira Feghali (PCdoB- RJ) em 7º e Jean Wyllys (PSOL-RJ) em 12º. Rogério Silva (PMDB-MT) teve o melhor avanço individual saltando 19 posições e ocupando o 20º melhor resultado. O ranking da FSB não mede o desempenho no instagram.

Após jogar o partido na lama, Aécio indica que deixará presidência do PSDB

Senador Aécio Neves (PSDB-MG) volta ao plenário do Senado, em Brasília, após a revogação das medidas cautelares impostas pelo STF


Sob intensa pressão do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) indicou a aliados que deverá deixar a presidência do partido, da qual está afastado desde que foi envolvido na delação da JBS em maio, na semana que vem.
Ele também avalia licenciar-se do mandato.
O mineiro só não fez isso na quarta (18) porque o presidente interino da sigla, senador Tasso Jereissati (CE), afirmou publicamente que defendia a renúncia do colega. Tasso, por sua vez, disse ao partido que deixa a função se Aécio não sair.
Na terça (17), Aécio foi reconduzido ao mandato após o Senado derrubar a decisão do Supremo Tribunal Federal de mantê-lo afastado e sob recolhimento noturno enquanto é investigado por ter pedido R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista.
O STF o havia afastado em 26 de setembro, mas para evitar risco de uma crise maior tomou na semana passada a decisão de que a prerrogativa para avaliar sua decisão era do Congresso.
A cúpula tucana considerava a votação, na qual Aécio teve 44 votos a favor (eram precisos 41), a senha para a saída do mineiro.
Um aliado próximo do tucano afirmou que ele está “estarrecido” com o que chamou de “truculência” de Tasso, que já havia promovido a troca de boa parte de sua equipe na direção do partido.
Contrariado, Aécio considerou inclusive esperar a convenção nacional do PSDB em 9 de dezembro para sair, mas o partido em peso passou a quarta e a quinta (19) em negociação para que ele deixe o cargo e também se licencie do mandato para dedicar-se à sua defesa.
A preocupação foi o tema de uma reunião, que já estava marcada desde a terça, entre Tasso, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador Geraldo Alckmin (SP) na quinta em São Paulo.
Alckmin, que viu sua pretensão de ser o candidato tucano à Presidência consolidar-se nas últimas semanas, com a série de problemas enfrentados pelo prefeito paulistano, João Doria, seu rival na disputa, está preocupado com o desgaste do partido no episódio Aécio.
Segundo a Folha apurou, o partido trabalha com pesquisas internas que apontam uma avaliação pública tão ruim quanto a do PMDB ou do PT, partidos mais associados a escândalos de corrupção nos últimos anos.
Para um senador do partido, o dano à imagem da sigla é praticamente irreversível. Tanto ele quanto aliados de Aécio concordam que o mineiro teria reduzido a crise se tivesse saído da presidência e se licenciado do mandato quando o escândalo eclodiu.
Em relação a deixar o mandato no Senado, como gostaria a cúpula partidária, amigos de Aécio estão divididos.
Alguns consideram que a essa altura dos acontecimentos, poderia soar como uma admissão de culpa; outros veem um “gesto de grandeza”, eufemismo que políticos aplicam quando querem uma saída menos dolorosa para uma crise envolvendo os seus.
O episódio todo rachou de vez o PSDB. Tasso operava para ser conduzido à presidência da sigla em dezembro, contrariando a vontade de Alckmin e de outros governadores, que querem Marconi Perillo (GO) na função. O governador goiano só assumirá a tarefa, que significa conduzir a dura campanha de 2018, se tiver apoio unânime.
Ao pedir a cabeça de Aécio, Tasso alinhou-se de vez à ala mais jovem do partido, os chamados cabeças pretas, mas ganhou repreensão entre dirigentes mais antigos e experientes. Esse grupo, incluindo aí a nobiliarquia tucana paulista, se disse horrorizado com o que considerou falta de tato do interino na condução do caso.
O clima na reunião da bancada do Senado na quarta foi descrito por um dos presentes como de “carnificina”. Até baixas físicas aconteceram: o senador Paulo Bauer (SC), que havia passado mal na terça mas voltou para votar em favor de Aécio, acabou sendo submetido a um cateterismo —ele passa bem.
POR FOLHAPRESS

Parlamentares potiguares cobram de Presidente da Caixa garantia de continuidade do Minha Casa Minha Vida no RN

Em audiência ontem, em Brasília, parlamentares da bancada do Rio Grande do Norte cobraram do Presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, a garantia da continuidade dos repasses para o Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) em todo o Brasil, principalmente no Rio Grande do Norte.

Segundo o coordenador da bancada do estado, deputado federal Felipe Maia (DEM), a liberação de R$ 10 bilhões para empréstimos e financiamentos habitacionais, depende da decisão do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CCFGTS), que se reunirá na próxima terça-feira (24).

“É uma situação urgente, que precisa ser solucionada com rapidez pela instituição financeira, em conjunto com os órgãos competentes. O Presidente da Caixa afirmou que a previsão é que o banco deve reservar R$ 8 bilhões para programas da construção civil, dentro desse valor uma parcela será destinada ao Programa Minha Casa Minha Vida”, afirmou o parlamentar.

Felipe Maia destacou ainda, que essa decisão depende também de um parecer técnico que será elaborado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). “Será formalizada uma consulta junto ao TCU e ao Banco Central, para definir como pode ser feita a operação dos recursos do FGTS pela Caixa. O Presidente Occhi afirmou que o compromisso número 1 de sua pauta será a solução rápida dessa situação, que beneficia milhões de famílias brasileiras. A necessidade de se retomar os investimentos em habitação popular é urgente”, explicou.

Além do coordenador da bancada potiguar, também participaram da reunião, os senadores José Agripino Maia (DEM) e Garibaldi Alves Filho (PMDB) e o deputado federal Walter Alves (PMDB). Estiverem presentes ainda o Gerente Nacional de relacionamento com o Congresso Nacional, Luis Roberto Caires e o Superintendente Nacional do MCMV, Henrique Marra.



Política em Foco

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Óticas Potengí realizá Consulta de Vista Em São Tomé e Lagoa de Velhos no próximo dia 26

'Governo do RN quer barrar lei que isenta imposto na compra de armas de fogo', reclama Fórum de Segurança



Governo do Rio Grande do Norte, por meio da Procuradoria Geral do Estado, analisa a constitucionalidade da lei que dá aos operadores da segurança pública do estado direito à isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) na compra de armas de fogo. Para a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Vilma Batista, que também integra o Fórum de Segurança Pública do RN (Foseg), esta é uma tentativa de "barrar" a lei.

“Com a aprovação da lei, a Secretaria de Tributação fez uma minuta de um decreto que institui um convênio com as empresas fabricantes de armas. Este convênio ainda está sob análise e falta regulamentação. Só que, antes disso, vem a Procuradoria Geral do Estado e entra com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn) por entender que, como a lei trata de impostos, ela deveria ter sido proposta pelo Executivo, e não pelo Legislativo“, explicou Vilma.

Em nota, a assessoria de comunicação do governo disse que ainda não existe nenhuma ADIn ajuizada em face desta lei, mas confirmou que o texto foi encaminhado à Procuradoria Geral do Estado (PGE), "que está analisando a sua constitucionalidade". E acrescentou: "Só após a realização desta análise, e mediante as recomendações da PGE, o governo deverá adotar as medidas cabíveis".

“O Executivo tem perdoado dívidas de grandes impostos. Mas, um imposto como esse, que só vem a beneficiar a segurança pública, o governo entende que é inconstitucional”, critica a sindicalista.
A lei nº 10.180 isenta policiais militares, policiais civis, agentes penitenciários e guardas municipais do pagamento de ICMS, tornando mais barata a aquisição de armas de fogo. Ela foi aprovada em 2016 pela Assembleia Legislativa. Contudo, foi vetada pelo governador Robinson Faria. Como os deputados derrubaram o veto, a lei acabou promulgada no dia 21 de fevereiro deste ano.


De acordo com a tabela de preços de uma das fabricantes, uma pistola calibre '.40', modelo PT840 – uma das mais utilizadas por agentes de segurança – custa atualmente R$ 3.709 à vista. Com a isenção, que seria de algo entorno de 25%, a arma deveria ser vendida por R$ 2.781.
'Inadmissível'

“É inadmissível o governo nos privar de um benefício como esse. O Estado, que deveria fornecer as armas para todos os operadores de segurança, mas que hoje sequer tem uma quantidade suficiente para desenvolvermos nossas atividades diárias, agora nos priva de condições para comprarmos armas particulares, pois está nítido a vulnerabilidade dos servidores da segurança pública em nosso estado, ainda mais ganhando salário defasado e atrasado”, desabafou a sindicalista.

"Essa situação é completamente inadmissível"
“Como se não bastasse o descaso com o cidadão comum, ao conduzir um sistema de segurança pública completamente falido e sem perspectiva de oferta de paz à sociedade, o governo do estado ainda se volta contra os operadores de segurança. Essa situação é completamente inadmissível”, acrescentou José Antônio Aquino, presidente do Sindicato dos Policiais Federais do RN, também membro do Foseg.

‘Tristeza’
“O Fórum de Segurança vê com bastante tristeza essa situação. Hoje, o operador não tem arma para exercer sua atividade nem para sua própria segurança. Estávamos contando com essa isenção para que pudéssemos parcelar, pelo menos, em 10 vezes a compra de uma arma. Estamos revoltados com essa situação”, reclamou Vilma.

Ainda segundo Vilma Batista, o Fórum de Segurança Pública do RN vai se reunir para tentar um diálogo com o governo do estado. “Mas, não havendo esse diálogo, vamos cruzar os braços”, afirmou.

Do G1 RN

PMDB realiza convenção que apontará Garibaldi como o novo presidente do partido

O PMDB do Rio Grande do Norte realiza na próxima sexta-feira, dia 20, a partir das 9 horas, a sua convenção estadual. Na ocasião, o senador Garibaldi Filho será aclamado o novo presidente da agremiação. A reunião será realizada na sede do partido, na avenida Everton Dantas Corês, 1440, no Tirol, em Natal. Na pauta, a escolha do novo diretório, da comissão executiva e dos delegados que representarão o RN na convenção nacional de novembro, em Brasília.
“Uma das prioridades da minha gestão será a revitalização do PMDB no Rio Grande do Norte. Vamos promover uma campanha de filiação para que cada vez mais a população potiguar possa manifestar suas ideias e posições através da nossa legenda. Queremos ampliar nossa atuação como caixa de ressonância do eleitor. Nesse momento em que o Brasil vive importantes transformações, o PMDB está preparado para dar sua parcela de contribuição para o aperfeiçoamento de nossas instituições”, afirmou Garibaldi Filho.

Justiça cassa mandatos de Prefeita e Vice na Paraíba, após compra de voto com cachaça

Prefeita e vice-prefeita de Mamanguape, Maria Eunice e Baby Helenita, respectivamente, tiveram mandatos cassados pela Justiça após compra de voto com cachaça (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco/Arte/G1)
A Justiça Eleitoral cassou os mandatos da prefeita de Mamanguape, Maria Eunice do Nascimento Pessoa (PSB), e da vice dela, Baby Helenita Veloso Silva (PRTB), por compra de votos – com oferecimento de supostos empregos, dinheiro, combustível e cachaça – e por abuso de poder econômico durante as eleições municipais de 2016. A decisão foi proferida na terça-feira (17) pela juíza Juliana Duarte Maroja, da 7ª Zona Eleitoral, em Mamanguape, Litoral Norte paraibano.
A prefeita de Mamanguape informou que está em Brasília nesta terça-feira, mas que os advogados tomaram ciência da decisão e vão recorrer.
De acordo com a decisão, que ainda cabe recurso, a prefeita e a vice também foram declaradas inelegíveis pelo prazo de oito anos, e foram multadas em R$ 53.205, “considerando a condição econômica de cada uma”, a “gravidade das condutas” e “as temerárias consequências para o regime democrático”.
Trecho da decisão diz que investigadas tentaram comprar votos de vereadores da oposição em troca de dinheiro, cachaça e empregos (Foto: Reprodução/TRE-PB)
A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) foi ingressada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), após suspeita de compra de votos feita pela então 2ª promotora de justiça da Promotoria de Justiça Cível de Campina Grande, Ismânia do Nascimento Rodrigues Pessoa da Nóbrega, filha da prefeita de Mamanguape, para a mãe.
A promotora chegou a ser afastada pelo Conselho do MPPB.
De acordo com a investigação, a promotora, que se apresentou como coordenadora de campanha eleitoral de Maria Helenice, realizou um encontro na casa da então candidata a vice-prefeita, onde ofereceu valores, cargos e benefícios para que os vereadores da oposição resolvessem aderir à candidatura da chapa que venceu as eleições.
A reunião foi gravada pelo filho de uma candidata a vereadora, ambos participantes da reunião, que foram convidados a participar e segundo a pessoa que gravou, desconfiou do teor do encontro.
De acordo com a decisão da Justiça, “o objetivo das investigadas na citada reunião foi oferecer dinheiro e outras vantagens em troca de votos e apoio político, buscando desequilibrar o cenário do pleito, captando para si os votos direcionados aos candidatos a vereadores da oposição, enfraquecendo, incontestavelmente, a corrente política adversária já estabelecida”.
A testemunha disse, em juízo, que a promotora “ofereceu para os [vereadores] presentes a quantia de R$ 5 mil para subir no palanque para Eunice, R$ 500 por semana, gasolina, cachaça e outros gastos, bem como mais três empregos públicos, os quais não se exigia trabalhar”.
Ainda de acordo com a decisão, resta evidenciado que “a reunião foi minunciosamente articulada”, e que a tentativa de compra de voto dos que disputam o cargo eletivo de vereadores representa “uma estratégia de atingir o maior número de eleitores possíveis, pois ao angariar o voto do candidato a vereador, o corruptor não conta apenas com o voto dele, mas de todos aqueles que o seguem”.
G1

Dieta vegetariana não é sempre sinônimo de saúde, mostram estudos

Foto: Paul Rogers/The New York Times

Não se deve discutir com quem adota uma dieta vegetariana ou vegana por motivos de saúde, religiosos, ambientais ou éticos. Porém, deve-se protestar com veemência contra quem faz proselitismo distorcendo a ciência ou os conselhos dietéticos oferecidos aos mais de 90% da população que preferem consumir alimentos animais.
Tal é o caso do documentário recentemente lançado pela Netflix chamado “What the Health”, que várias pessoas bem-intencionadas e conscientes em relação à saúde vêm recomendando.
No filme há afirmações errôneas, como dizer que comer um ovo por dia faz tão mal quanto fumar cinco cigarros ou que uma porção diária de carne processada eleva o risco de diabetes em 51%.
Embora a obra possa ter objetivos elogiáveis, ouvir dados científicos errados confunde as questões.
Nada disso significa apoio ao tratamento desumano de animais em fazendas nem a poluição injustificável do ambiente com rejeitos animais, e pesticidas e antibióticos mal utilizados.
Pensando em saúde, um vegano pode ser tão pouco saudável comendo vegetais escolhidos de forma errada quanto um onívoro que praticamente só come hambúrgueres e frango frito.
Uma dieta vegana recheada de grãos refinados, como arroz branco e pão, sucos e bebidas adoçadas, biscoitos, batatinhas e bolachas de água e sal, e sorvete sem leite estão longe de ser uma alimentação saudável.
Diretrizes dietéticas atuais já recomendam que todos deveriam adotar uma nutrição à base de plantas, rica em alimentos oriundos do solo associados a fontes de proteína animal com pouca gordura ou combinações de feijões e grãos.
Contudo, também nesse caso, uma seleção descuidada de comida e bebida pode resultar em uma dieta insalubre à base de vegetais.
Um grande estudo publicado recentemente no “Journal of the American College of Cardiology” exemplifica isso.
Elaborado por uma equipe de cientistas da Universidade Harvard, nos EUA, a pesquisa examinou, entre mais de 200 mil profissionais da saúde, as relações entre dietas baseadas em plantas de diversas qualidades e o risco de desenvolver doença coronária.
Iniciando o estudo sem doenças crônicas, os participantes foram acompanhados por mais de duas décadas, enviando o padrão dietético aos pesquisadores a cada 2 anos.
Tomando por base suas respostas, os hábitos dos participantes foram classificados pela equipe como: dieta geral à base de plantas (enfatizando vegetais sobre alimentos animais); dieta saudável à base de plantas (enfatizando alimentação vegetariana saudável); ou dieta não saudável à base de plantas.
Qualquer uma das dietas poderia incluir várias quantidades de produtos animais.
Alimentos vegetarianos saudáveis como grãos integrais, frutas, vegetais, nozes e legumes, além de óleos vegetais, café e chá, receberam notas positivas; comidas de origem vegetal menos saudável, como sucos, bebidas adoçadas, grãos refinados, frituras e doces, bem como alimentos de origem animal, receberam pontuação negativa.
RISCO DE DOENÇA
Quanto maior fosse a adesão dos participantes a dietas saudáveis à base de plantas, menor era a probabilidade de desenvolvimento de doenças cardíacas durante a realização do estudo. Em estudo anterior, os pesquisadores encontraram uma redução similar no risco de diabetes tipo 2.
Quem manteve uma dieta menos saudável à base de plantas, apresentou, em média, uma probabilidade 32% maior de receber um diagnóstico de doença cardíaca.
Liderada por Ambika Satija, do departamento de nutrição, a equipe concluiu que “nem todos os alimentos à base de plantas são necessariamente benéficos à saúde”.
A descoberta de Harvard foi praticamente idêntica a um estudo europeu de 11 anos que constatou um risco 32% menor de doença coronariana entre os vegetarianos do que entre não vegetarianos -embora nenhum tipo de classificação baseada na saúde tenha sido dado à qualidade das dietas vegetarianas dos participantes.
O estudo mais detalhado de Harvard, que examinou o nível de adesão à dieta à base de plantas, constatou que “até mesmo uma ingestão baixa de alimentos animais combinados a uma ingestão maior de alimentos vegetais saudáveis” estava associada a risco menor de doença cardíaca.
Em outras palavras, não é preciso se tornar exclusivamente vegetariano para proteger o coração. Reduzir a dependência de alimentos animais e principalmente evitar os ricos em gordura já ajuda.
Na verdade, os pesquisadores concluíram que “uma dieta que enfatizou alimentos animais e vegetais saudáveis” estava ligada a um risco coronariano levemente mais elevado do que no caso de uma dieta saudável inteiramente à base de plantas.
Por outro lado, segundo o estudo, exagerar em “alimentos vegetais menos saudáveis” e comidas animais menos saudáveis, como carnes processadas e vermelha, aumentou de forma significativa o risco de desenvolver doença cardíaca.
Conforme observaram os cientistas, as descobertas de Harvard corroboram o recém-divulgado documento Diretrizes Dietéticas para os Americanos, o qual pede que as pessoas consumam grandes quantidades de “alimentos vegetais de alta qualidade”.
Ainda de acordo com eles, a dieta recomendada “também seria sustentável em termos ambientais”, pois sistemas alimentares à base de plantas requerem menos recursos do que os animais.
Dessa forma, quanto mais plantas e menos animais se comer, menor será sua pegada de carbono e sua contribuição para o sofrimento animal. Contudo, para ser realmente benéfica, a planta deve ser rica em nutrientes.
Embora a maioria dos americanos dependa de alimentos animais para obter proteína, ter proteína de qualidade não é difícil com uma dieta vegetariana que inclua laticínios e ovos.
Quem agrega peixe à dieta recebe um bônus de ácidos graxos ômega-3, além de proteína de alta qualidade de peixes e mariscos.
Quem escolhe uma dieta vegana estrita enfrenta um desafio maior porque a proteína em plantas não é completa e deve ser equilibrada pelo consumo de fontes complementares, como feijões e grãos. Os veganos também devem suplementar a dieta com vitamina B12.
A menos que vire vegano, é possível aprimorar a dieta, proteger a saúde e acrescentar variedade às refeições com simples ajustes dietéticos.
Como Hena Patel e Kim Allan Williams, cardiologistas do Centro Médico da Universidade Rush, Chicago, sugeriram em um comentário ao estudo da Universidade Harvard, pode-se escolher um dia por semana sem carne e, gradualmente, acrescentar mais dias sem carne, enquanto se acrescenta uma ou mais receitas novas à base de vegetais por semana.
Colhendo o que planta

Alimentação à base de plantas, se não for bem planejada, pode ser tão prejudicial quanto uma com excesso de carne
Alimentação saudável
Ter plantas como base da dieta
Combinações de feijões e grãos
Complementar com proteína animal com pouca gordura
Consumir frutas, nozes e legumes

Alimentação não saudável
Muitas bebidas açucaradas
Consumo excessivo de sorvete sem leite
Comer muitos grãos refinados, como arroz
Muito pão, biscoitos, batatinhas, frituras e doces

Folha de São Paulo